INAUGURADO NO TATUAPÉ NOVO POSTO DE DISTRIBUIÇÃO DO BILHETE ESPECIAL

Foi inaugurado no dia 7 de julho de 2003, o novo posto de distribuição do Bilhete Especial, na estação Tatuapé do Metrô. Funcionando anteriormente na estação Marechal Deodoro, as pessoas portadoras de deficiência eram atendidas juntamente com idosos e desempregados. Com a mudança, idosos e desempregados permanecem sendo atendidos na estação Deodoro e as pessoas com deficiência, na estação Tatuapé.

Segundo o diretor de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos da Companhia do Metrô de São Paulo, Renato Viégas, que na inauguração representou o presidente da Companhia, Luiz Carlos Frayze David, a medida visa otimizar os atendimentos e demonstra a preocupação do Metrô em facilitar a vida de quem possui deficiência. "A mudança irá propiciar conforto aos portadores de deficiência e economia no tempo dispendido para obtenção do bilhete especial", destaca Viégas, acrescentando que a preocupação com os portadores de deficiência reflete também uma preocupação com a qualidade de vida e atendimento às necessidades dos usuários do sistema metropolitano em geral.

Para o usuário Sebastião Bezerra da Costa, cuja filha Letícia, de seis anos, possui deficiência, a mudança foi muito favorável e o atendimento "muito rápido". "Utilizo o bilhete especial porque preciso levá-la sempre para tratamentos. Agora a espera é menor e o conforto maior", destaca.

Bilhete Especial

Destinado às pessoas cuja deficiência compromete a capacidade de trabalho, o bilhete especial é oferecido gratuitamente pelo Departamento de Arrecadação da Gerência de Operações Financeiras. O chefe do departamento, Nelson Medeiros Sobrinho, afirma que a pessoa portadora de deficiência física, e também os portadores de deficiência auditiva, visual e mental, têm direito a um bilhete válido por 180 dias, mediante laudo emitido pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Ele afirma que na estação Marechal Deodoro eram atendidas, ao todo, cerca de 1800 pessoas ao dia. Com a mudança para a estação Tatuapé, os atendimentos aos portadores de deficiência somarão cerca de 650 ao dia. "O maior benefício com a separação dos atendimentos é que as pessoas com deficiência ficarão menos tempo na fila e poderão aguardar sentadas. Haverá mais conforto", ressalta.

O serviço oferecido pela Companhia do Metrô é estendido também ao acompanhante do portador de deficiência e cumpre determinação da lei estadual nº 666, de 26 de novembro de 91, regulamentada pelo decreto 34.753, de 1º de abril de 92 e complementada pela resolução nº 101, de 28 de maio de 92.

O governo isenta do pagamento de tarifas de transporte coletivo urbano, de responsabilidade do Estado, portadores de deficiência incapacitados para o trabalho, idosos maiores de 65 anos e desempregados. A distribuição do bilhete especial começou no início de 1993. Hoje, cerca de 30 mil portadores de deficiência utilizam o benefício do departamento. A cada seis meses, eles retornam para trocar o bilhete, no caso de deficiência permanente.

Procedimento

O portador de deficiência que quer ter direito ao bilhete especial deve ligar para o telefone nº 1520 (Disque Saúde) e se identificar como sendo pessoa portadora de deficiência interessada no bilhete especial do Metrô, para receber indicação do posto de saúde mais próximo de sua residência. O portador, então, deve fazer exame e receber laudo médico, constando ser portador de deficiência temporária ou permanente, que o incapacita para o trabalho. Com o laudo em mãos, a pessoa deve procurar o Posto de Distribuição do Bilhete Especial, que fica hoje na estação Tatuapé do Metrô, das 8:30h às 16:OOh, de segunda a sexta-feiras.
Nelson afirma que entre os atendentes há pessoas especialmente treinadas para se comunicar com portadores de deficiência que utilizem a linguagem de sinais.

É válido ressaltar que o bilhete de Metrô destinado ao acompanhante é pessoal e intransferível, ou seja, deve ser utilizado somente por ele mesmo quando estiver em companhia do portador de deficiência. "Se o bilhete for utilizado indevidamente e o usuário for abordado pela fiscalização do Metrô, tanto o beneficiado quanto o acompanhante têm anulado seu direito ao uso do bilhete especial", avisa o chefe do departamento.

Se o portador de deficiência ou acompanhante perder o bilhete, ou se o mesmo for roubado, a ocorrência deve ser comunicada a uma delegacia de polícia para que o fato seja registrado em Boletim de Ocorrência e o usuário possa retirar outro bilhete especial. No bilhete estão registrados dados do beneficiado, como número de identidade por exemplo. O Metrô é pioneiro na prestação desse tipo de serviço, que é válido somente em São Paulo.

Fonte: Associação Amigos Metroviários dos Excepcionais - AME, São Paulo, 7 de julho de 2003.

Voltar - Topo