Logo AME-SP
 
 
Ícone de Telefone

(11) 2360 8900

Ícone de E-mail
ame@ame-sp.org.br
Ícone do Facebook Ícone do Youtube Ícone do Instagram Ícone do Twitter  
 

Giovanna Maira canta e encanta

Quem se depara com a figura angelical de Giovanna Maira, sente como se estivesse diante de uma personagem de contos de fada, uma princesa, dada a sua singela beleza. Diante de seu trabalho, sua voz e talento, esse sentimento se mescla com um outro, mais vigoroso e intenso: a certeza de que essa menina vai longe e não é personagem ilusório não, muito pelo contrário, cheia de vivacidade e talento muito reais. Aos 19 anos, Giovanna é muito requisitada e, após participar de vários programas de TV, foi agraciada com uma premiação em concurso internacional, pelo qual receberá prêmio em espécie para custear a continuidade de seus estudos musicais. Confira a entrevista exclusiva ao Jornal da AME.

AME - Qual é a causa de sua deficiência visual?
Giovanna Maira - Minha deficiência visual se deu devido a um câncer nos olhos que só foi descoberto quando eu tinha um ano e dois meses de idade. O nome desse câncer é retinoblastoma bilateral e, até hoje, os médicos não constataram se é uma doença genética ou congênita. Por ter perdido a visão muito cedo, não possuo nenhuma memória visual, porque, segundo os médicos, é somente a partir de um ano e oito meses de vida que a criança começa a memorizar o que enxerga, porém, isso não me impede de saber como são as formas, as cores, obviamente, do meu jeito, mas ao menos consigo entender isso que é tão abstrato a alguém que não tem lembranças visuais. .

AME - Como foi sua infância, relacionamento com sua família, colegas de escola e vizinhos? 
Giovanna - Minha infância foi normal, era muito esperta, fazia traquinagem como qualquer outra criança. Andava de bicicleta na rua, brincava de pega-pega com meus primos, enfim, posso dizer que não era nem um pouco quieta, pois a deficiência nunca conseguiu me atrapalhar nem me impedir de fazer o que eu queria. Deixava todos boquiabertos com o que fazia, já que todos acham que só porque uma pessoa tem algum tipo de limitação visual não pode correr, brincar, subir e descer degraus sozinha, etc. 
Meu relacionamento com meus colegas de escola quase sempre foi ótimo, salvo algumas exceções que, infelizmente, nós enfrentamos, de discriminação e comportamentos hostis, principalmente na fase de adolescência, mas tudo isso pode ser contornado, só depende de nós mostrarmos que somos iguais e capazes de viver da mesma forma que as demais pessoas.

AME - Como se deu seu desenvolvimento artístico, quais instrumentos domina e como se sente quando toca e canta? 
Giovanna - A música entrou em minha vida logo que fiquei cega. Um dos médicos que me trataram na época, aconselhou meus pais a me colocarem na música, pois isso ampliaria o mundo do deficiente visual e, graças a Deus, foi isso que eles fizeram, embora tenham encontrado muita dificuldade de acharem uma escola de música que me aceitasse, pois diziam que não estavam aptos a dar aulas a alguém cego. Apesar de tudo, conseguimos vencer mais essa barreira e, hoje, além de cantar e cursar o terceiro ano de Bacharelado em Canto Lírico, na Universidade de São Paulo (USP), também toco piano popular, teclado, um pouco de flauta doce e violão. Hoje a música é meu sustento, pois é minha profissão. Trabalho em casamentos, eventos para empresas, festas em geral, e, além do mais, é o que amo fazer.

AME - Recentemente a pessoa cega foi tema na novela global. Você concorda com o que foi abordado e mostrado pelos personagens Flor e Jatobá? 
Giovanna - Acredito que a novela, sendo um veículo de muita força no Brasil, contribuiu muitíssimo para levar conhecimento às pessoas que, por não conviverem com deficientes, têm um certo receio, medo de se aproximarem de nós. Embora a novela, como toda arte, tenha um teor de ficção, creio que ajudou a quebrar paradigmas antes incutidos na mentalidade da sociedade. Como sempre digo, as pessoas não são preconceituosas, mas sim ignorantes, não no sentido pejorativo da palavra, mas ignorantes em conhecimento, por isso a necessidade de se divulgar essas informações de como agir ante uma pessoa com deficiência.

AME - Você possui alguma atuação junto a alguma organização de pessoas com deficiência? O que pensa sobre esse tipo de participação? 
Giovanna - Participo constantemente de eventos de diversas organizações e associações como cantora e atuante, mas não tenho vínculos com nenhuma, embora ache extremamente importante o que elas fazem por nós deficientes, lutando e tentando defender nossos direitos, para que cada dia mais sejamos respeitados como seres humanos.

AME - Na sua opinião, quais são os principais desafios que uma pessoa cega enfrenta atualmente? 
Giovanna - A pessoa cega enfrenta muitos obstáculos em seu cotidiano, como orelhões espalhados pelas calçadas, lixeiras penduradas em portões, produtos sem identificação em braile, falta de acessibilidade em nosso dinheiro, etc.

AME - Você acaba de ganhar um concurso americano como cantora e instrumentista. Como alcançou essa vitória e o que ela representa para sua carreira? 
Giovanna - Concorri e venci um concurso internacional, realizado nos Estados Unidos, chamado Rosemary Kennedy anualmente promovido pela Very Special Arts que possui filiais em 86 países, com os quais eu competi. Como prêmio irei me apresentar em Washington, em maio, numa noite de gala onde será entregue um prêmio pela minha vitória. Acredito que essa vitória foi uma realização de um sonho e, se Deus quiser, apenas o começo de algo que espero frutifique.

AME - Quais são seus planos para o futuro? 
Giovanna - Espero para meu futuro conseguir patrocínio para gravar meu CD tão almejado, quem sabe alguém se interesse.

AME - A deficiência visual limitou seu vôo, suas conquistas?
Giovanna - Muito pelo contrário, ampliou!! Não sei se eu não fosse deficiente visual teria chegado onde cheguei. Não sei dizer, mas logo que me formei tive a deficiência. As coisas aconteceram bem naturalmente, nunca levantei na rádio a bandeira da deficiência. Não sei se teria chegado aonde cheguei.

AME - Qual é sua mensagem para jovens como você que possuem deficiência? 
Giovanna - Minha mensagem é que sempre acreditem em seus sonhos, mesmo que eles pareçam impossíveis de se realizar, porque quando você realmente acredita, tudo conspira a seu favor para tornar seu desejo real. E, se me permite, quem quiser saber mais sobre mim é só acessar o site www.giovannamaira.com.br.

 
 
Please update your Flash Player to view content.

Destaques AME

Estudo Comparado da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência

Estudo Comparado da Lei...

Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo publicou o livro...
+ saiba mais...
AME RECEBE SELO DE ÉTICA PROBARE PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO

AME RECEBE SELO DE ÉTICA PROBARE...

AME RECEBE PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO O SELO DE ÉTICA PROBARE (PROGRAMA BRASILEIRO DE...
+ saiba mais...
GOVERNO LANÇA CENTRAL DE LIBRAS COM TECNOLOGIA ICOM

GOVERNO LANÇA CENTRAL DE LIBRAS...

O Governo do Estado de São Paulo lançou o primeiro posto da Central de Libras, nesta...
+ saiba mais...
 
Home
Quem Somos
Associado
Vagas / Profissionais
Cadastro de Currículos
Área exclusiva para funcionários
QUIOSQUE
Serviço / Projeto
Recrutamento e Seleção
Sensibilização
Como contratar pessoas com deficiência
Serviços Terceirizados
Intérprete de Libras
 
Clínica
Nossa localização
Sede
Rua Serra de Botucatu, 1.197 - Tatuapé
CEP 03317-001 - São Paulo - SP

Clínica
Rua Dr. Miguel Viêira Ferreira, 69 - Tatuapé
CEP 03071-080 - São Paulo - SP
Redes Sociais
Acompanhe a AME:
Atendimento
Para mais informações:
(11) 2360 8900
ame@ame-sp.org.br
 
Divulgações
Divulgue a sua marca em
nosso site!

Entre em contato para
mais informações!

 
18.03.2019