Bahia faz história com a 1ª transmissão em libras do futebol brasileiro

Bahia faz história com a 1ª transmissão em libras do futebol brasileiro

No início deste mês, quem assistiu a partida entre Bahia e Fortaleza pela sétima rodada da Copa do Nordeste testemunhou um momento histórico para o esporte nacional: a primeira transmissão em Libras do nosso futebol, oferecida pelo clube baiano. Realizado no dia 03 de abril na Arena Castelão, no Ceará, o jogo contou com dois intérpretes de Libras comentando os principais lances em tempo real nas transmissões pelo Facebook, Instagram, Youtube do Bahia, SBT Nordeste e serviço de streaming Nordeste FC. “Nosso objetivo é que as pessoas surdas que usam a Língua Brasileira de Sinais possam acessar esse conteúdo pelo celular enquanto assistem ao jogo, na TV ou em algum outro dispositivo, e assim ter uma experiência inédita como torcedoras”, disse Lênin Franco, gerente de marketing do Bahia. Estima-se que o Brasil tenha 10 milhões de deficientes auditivos e que de 70% a 80% deles se comuniquem prioritariamente pela Língua Brasileira de Sinais. Quem quiser, pode conferir como foi a partida, em Libras, acessando este link. O clube ainda não se manifestou sobre novas transmissões em Libras. Estamos na torcida pela próxima.

Projeto Caliandra, da AME, é tema de reportagem da Globo

Projeto Caliandra, da AME, é tema de reportagem da Globo

O telejornal SPTV1, da Rede Globo, levou ao ar reportagem sobre o Projeto Caliandra, campanha da AME de prevenção e enfrentamento à violência contra a mulher com deficiência, lançado em março em parceria com a ONG norte-americana MIUSA. Realizada pelo repórter Thiago Crespo, a matéria aponta aumento de 68% dos casos de lesão corporal contra mulheres com deficiência em 2020, primeiro ano da pandemia da Covid-19. Clique aqui para assistir a reportagem na íntegra.

Em carta, ONU pede a Bolsonaro que revogue “decreto da exclusão”

Em carta, ONU pede a Bolsonaro que revogue “decreto da exclusão”

Relatores da ONU se unem para denunciar a nova Política Nacional de Educação Especial (PNEE), sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em setembro de 2020 e mais conhecida na sociedade civil como “decreto da exclusão”. A iniciativa, na prática, desobriga a escola a matricular estudantes com deficiência e permite a volta do ensino regular em escolas especializadas. Para entidades, isso é um retrocesso de décadas na educação inclusiva no país, além de uma violação à Constituição ao segregar alunos. Numa carta sigilosa, enviada em fevereiro de 2021 ao governo e obtida pela coluna, os relatores alertam que a medida de Bolsonaro pode “restringir o direito à educação inclusiva para crianças com deficiências no Brasil”. O documento é assinado por Gerard Quinn, relator especial para o direito de pessoas com deficiências, e Koumbou Boly Barry, relatora especial para o direito à educação. “O decreto promove o estabelecimento de um sistema separado de educação especial, incentivando estados e municípios a construir escolas e programas especializados para pessoas com deficiência”, aponta a carta. “Em particular, permite que as autoridades direcionem algumas crianças para escolas especiais se as crianças forem consideradas incapazes de “beneficiar-se em seu desenvolvimento quando incluídas em escolas regulares inclusivas e necessitarem de apoio múltiplo e contínuo”, alerta. Para os relatores, a política prevê “segregação”, e embora o STF já houvesse derrubado a legalidade do decreto, a carta da ONU insiste que o projeto precisa ser revogado pelo presidente. Leia a matéria na íntegra.

Ivan Baron, o influencer da inclusão

Ivan Baron, o influencer da inclusão

Aos 23 anos, o potiguar Ivan Baron tem amplificado sua voz para todo o Brasil investindo em conteúdo educativo de forma leve, didática e responsável. Após estourar nas redes sociais –com mais de 260 mil seguidores entre Instagram e TikTok—, onde lançou a série “Minha Vida com Paralisia Cerebral”, o influenciador apresenta seu primeiro e-book, “Guia Anticapacitista”. “Por conta do meu trabalho nas redes sociais, sempre surgem dúvidas sobre o capacitismo. Eu costumava responder manualmente, até que pensei: ‘Por que não montar um material rápido, explicativo e com aquele toque de humor?’”. Para o e-book, vendido por R$ 9.90 na Hotmart, ele também convidou alguns colegas influenciadores, como a escritora Violeta Alvez, que dedicou um dos capítulos para falar sobre as mulheres e sua relação com a deficiência. “Eu não podia contar apenas com uma narrativa, já que somos pessoas com deficiência, no plural”, diz. Outra área de atuação de Ivan são as palestras. Depois de algumas apresentações pelo Brasil, o influenciador se prepara para mais uma, “O que é o capacitismo? Histórias e vivências, com Ivan Baron”, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP). O evento (desta vez online) acontece no dia 9 de abril, às 16h. As inscrições podem ser feitas no site do MAM. Lei aqui a matéria completa.

Precisamos falar sobre capacitismo

Precisamos falar sobre capacitismo

Em recente post em seu blog, o nadador paralímpico Clodoaldo Silva aborda um tema que, apesar de extremamente presente na sociedade, ainda é mal compreendido: o capacitismo. O atleta explica que a discriminação de pessoas com deficiência, assim como o racismo e o machismo, é também um tipo de preconceito estrutural e, muitas vezes, inconsciente. Só que, como ele ressalta, alguns termos utilizados no dia a dia ferem e desmerecem a existência das pessoas com deficiência. “Nossa sociedade é cheia de conceitos certos e errados e, o pior, vive disseminando, sem perceber, o capacitismo”, afirma. Segundo Clodoaldo, a maioria dos indivíduos não tem informações suficientes sobre o universo das pessoas com deficiência e, assim, os preconceitos vão sendo passados de geração em geração. Para ajudar a explicar o conceito de capacitismo, quais seus impactos na sociedade e combater esses vícios comportamentais e de linguagem, ele elenca dez dicas. Confira:

1 – A pessoa com deficiência não é incapaz. Ela pode desenvolver uma via plena e funcional.

2 – A forma como a pessoa com deficiência desenvolve uma tarefa pode ser diferente da maioria das pessoas, mas isso não a torna incapaz.

3 – Antes de presumir que a pessoa não consegue e já sair oferecendo ajuda só porque a pessoa tem deficiência, deixe-a realizar qualquer que seja a atividade.

4 – As pessoas com deficiência trabalham, têm vida, se divertem, bebem, transam e isso deve ser normalizado.

5 – A deficiência, seja ela de qual natureza for, não é em si uma doença, e a pessoa com deficiência não está necessariamente procurando uma cura ou mudança.

6 – A pessoa com deficiência não deve ter obrigação nenhuma em ser vista como um exemplo de superação.

7 – Supervalorizar uma pessoa com deficiência simplesmente por ela realizar um trabalho comum, como usar um computador, intrinsecamente mostra que você imagina que ela era incapaz para a tarefa.

8 – A pessoa está vivendo a sua vida, portanto não deve ser transformada em um herói só por viver com sua deficiência.

9 – João sem braço, desculpa de aleijado é muleta, pior cego é aquele que não quer ver, retardado, aleijado, mongoloide são expressões e palavras preconceituosas que dão força ao capacitismo.

10 – O contrário de uma pessoa com deficiência não é uma pessoa normal, mas sim, uma pessoa sem deficiência.

Para ler o post completo no blog de Clodoaldo, clique aqui.

Economia digital: uma ferramenta de inclusão?

Economia digital: uma ferramenta de inclusão?

Um novo estudo, “Uma economia digital inclusiva para pessoas com deficiência” –realizado pela Rede Global de Negócios e Deficiência da Organização Internacional do Trabalho (OIT) em parceria com a ONG espanhola Fundación Once—, aponta que a Covid-19 tem acelerado a transição digital e aberto oportunidades sem precedentes para alcançarmos um mundo laboral mais inclusivo. No documento, são analisados, entre outros tópicos, os efeitos da atual revolução tecnológica na criação de novos empregos, além de mudanças nas funções e modelos de trabalho existentes. Uma das conclusões da OIT é que, apesar de a pandemia só ter acelerado as tendências já presentes no mundo profissional, como a expansão da economia digital, esse movimento pode agravar a situação de quem não tem habilidades ou equipamentos necessários, aumentando a exclusão de pessoas com deficiência. Assim, a entidade recomenda mais esforços para melhorar as habilidades e acessibilidade digitais dessa parcela da população mundial (atualmente estimada em 1 bilhão de indivíduos) e destaca o papel das chamadas tecnologias assistivas –entre elas aparelhos, técnicas e processos—  para gerar novas ocupações e oportunidades para esse público. Leia aqui a matéria completa.

Skip to content
Close Bitnami banner
Bitnami